Boletim de 8 de fevereiro de 2013
Kelso Medici
Imagem: Kelso Medici

Kelso Medici, ferromodelista e pesquisador ferroviário, faleceu no último dia 26 de janeiro. Como pesquisador, escreveu alguns livros e chegou a ter pelo menos quatro sites na internet, onde também publicou material. Felizmente nem todos os textos do Kelso se perderam quando o Geocities encerrou as atividades em 2009, pois o Oocities tem o espelho de alguns desses sites:

www.oocities.org/area51/matrix/3175/ (Estrada de Ferro Campos do Jordão)

www.oocities.org/area51/Matrix/3175/index4.htm (Companhia Ytuana de Estradas de Ferro)

www.oocities.org/area51/matrix/3175/index3.htm (As menores estradas de ferro)

(Foto tirada por Stênio Gimenez entre as cidades paulistas de Itu e Sorocaba.)

 

 

As palavras abaixo, colhidas em diversas listas, dão uma ideia de quem foi o Kelso e a contribuição que deu para o hobby e a história ferroviária brasileira. (Por razões de espaço os depoimentos foram editados.)

''Kelso Medici, ferreomodelista de mão cheia, simples e humilde, sempre nos encantava com seus trabalhos bem feitos. Tenho dele a melhor das lembranças." (Luiz Bellotto)

"Mais um Amigo e um grande Modelista que nos deixa." (Marcio Hipolito)

''Fico triste com a partida do Kelso. No início de minhas pesquisas, quando eu ainda era um adolescente utilizando os primórdios da internet, foi no excelente site que o Kelso fez (que era o ''Locomotivas a vapor do estado de São Paulo'') que me deparei com fotos e informações das locomotivas a vapor de que eu tanto gostava. Foi por esse site que comecei a me especializar, ter conhecimento e contato com outras pessoas que muito me ensinaram da história ferroviária. O trabalho do Kelso foi muito importante para tudo isso, ele foi um ícone. Eu finalmente o conheci em um evento e tive a oportunidade de trocar muitas ideias com ele, pessoa fantástica! Agradeço muito pelo conhecimento passado, pelo grande incentivo e pela ''alavanca'' que foi seu trabalho, sem dúvida uma importante base para os meus atuais conhecimentos.'' (Leandro Guidini)

''Convivi muito pouco com o Kelso fora do ambiente cibernético, e já faz um bom tempo. Mas eu já o conhecia anteriormente através das revistas de ferreomodelismo. Boa gente mesmo, ótima conversa. Até recentemente ainda estávamos em contato via email ou Facebook. Sua pioneira página sobre vaporosas no estado de São Paulo era uma grande referência, sem contar o resgate do decauville da Fazenda dos Ingleses, em Caraguatatuba.'' (Antonio Augusto Gorni).

''Naqueles tempos em que muitos de nós, férreo-fãs mais antigos, descobrimos a internet como meio de publicação do nosso material, praticamente só existia o tal do Geocities, e foi nele que todo mundo construiu os seus sites. Estamos falando não da época da internet a lenha, mas do estágio seguinte, a internet a óleo diesel. O Kelso montou uma meia dúzia de sites''. (Wanderley Duck)

''O Kelso era um cara muito bacana. Sempre trocávamos e-mails além dos da lista.'' (Ralph Giesbrecht)

''Lamentável a perda de mais um amigo. Minha admiração pelo Kelso vem desde os tempos do Centro-Oeste. Tive o privilégio de recebê-lo em casa diversas vezes, acompanhá-lo em 'raids' e também em viagem a bordo da locomotiva. Dia triste para o ferreomodelismo brasileiro, que perdeu mais um de seus pilares'' (Stênio Gimenez).

''Lamentável mesmo. Uma grande pessoa, um grande incentivador e um profundo conhecedor de ferrovias e das coisas de São Paulo. Um estudioso.'' (Jose Roberto G. Habib)

Lançamento: Decais da locomotiva GE AC44 da VLI
Imagem: Locomotiva diesel-elétrica AC44 da VLI

Imagem: Locomotiva diesel-elétrica AC44 da VLI
O Carlão acaba de lançar uma cartela de decais para a locomotiva diesel-elétrica AC44 da VLI, fabricada pela GE. São decalques feitos em laser para decorar modelos em escala HO (1:87). O número de decalques é suficiente para elaborar até oito modelos.

Na página "Produtores" você encontra o endereço do Decais do Carlão.
23 e 24 de fevereiro: parada em Jundiaí, SP

Acontece daqui a duas semanas o III Mercadão nos Trilhos, encontro de ferromodelismo a se realizar no Mercadão da Cidade de Jundiaí. Haverá várias maquetes e modelos. O horário no dia 23 será das 9h às 18h; no dia 24, das 9h às 13h.

Sorteio de 4 calendários da Trains Magazine!!!
Imagem: Sorteio de calendário MR

O Balan (Curitiba, PR) vai sortear entre os ferromodelistas quatro calendários de 2013 da Trains Magazine (revista irmã da Model Railroader). Para participar, basta se inscrever e pronto.

As inscrições são feitas no blog do Balan: ferreomodelismo.blogger.com.br. Atenção: o prazo para inscrição é a meia-noite do dia 16 de fevereiro.

EFCJ
Imagem: EFCJ retoma atividades

Imagem: EFCJ retoma atividades
Os bondes da EFCJ (Estrada de Ferro Campos do Jordão), ferrovia turística que liga as cidades paulistas de Pindamonhanga a Campos do Jordão, continuam rodando no alto da serra. O tráfego continua interrompido apenas na subida da serra.

Desde o lamentável acidente ocorrido na serra no final do ano passado, várias obras de melhoria da via permanente vêm sendo realizadas em toda a extensão da ferrovia, com troca de trilhos, dormentes, construção de galerias de drenagem e obras de contenção de encostas. Com isso, espera-se que logo seja possível fazer de novo o belíssimo passeio de litorina, em que se chega ao ponto ferroviário mais alto do Brasil.

(A foto acima, feita em 29 de janeiro, mostra o trabalho de troca de trilhos e dormentes na passagem de nível junto à estação inicial da EFCJ, em Pindamonhangaba.)
Bâner do mês

O bâner de fevereiro chegou. (São as imagens no alto das páginas do Portal do Trem.) Detalhes de cada imagem estão em "Bâner do mês".

MRH
Saiu o número de fevereiro da revista digital gratuita Model Railroad Hobbyist. Dentre os vários artigos deste mês, há um que mostra como fazer o maquinista virar a cabeça para o lado para onde a locomotiva está indo! Veja com seus próprios olhos:

O endereço da MRH está em nossa página "Revistas virtuais em outros idiomas". E tem o guarda-freios que sinaliza com sua lanterna para o maquinista: veja abaixo no Expresso Portal do Trem.
Lista APFerreo

O pessoal da APFMF (Associação Paranaense de Ferreomodelismo e Preservação Ferroviária) criou uma lista para difundir o ferromodelismo no Brasil, em especial no Paraná. Não é preciso ser filiado à APFMF para participar da lista.

O endereço da APFerreo e de outras 50 (!) listas de ferromodelismo está na página "Listas".

Expresso Portal do Trem
O guarda-freios e sua lanterna (sugestão do Marcelo Lordeiro)

A maquete é muito bonita, a filmagem deixa a desejar, mas quem se importa? O que vale mesmo é guarda-freios no último vagão usando sua lanterna para sinalizar para o maquinista. Veja também o maquinista que move a cabeça, na notícia acima sobre a MRH.

O presente de aniversário de Madeline (sugestão do Marco Giffoni)

Madeline faz três anos e ganha um presente de aniversário: andar de trem!

''Slag cars'' (vagões escória)
Dica: ''Plac-plac''

Para reproduzir aquele estalo característico (o som ''plac-plac'') dos trens de verdade quando as rodas passam pelas junções dos trilhos, nunca seccione o trilho totalmente. Faça no boleto (a parte de cima do trilho) apenas um pequeno corte de 0,5 mm de profundidade e 0,5 mm de largura. Mas tome o cuidado de não fazer muitos cortes, caso contrário o som vai ficar irreal. É que, quando você está ao lado de uma linha de verdade, você ouve claramente o estalo mais próximo. Os estalos mais distantes ficam menos perceptíveis. Mas em maquetes, especialmente as pequenas, é diferente. Todos os estalos chegam com igual intensidade.

Então, comece escolhendo um ponto apropriado, de preferência perto do controlador, pois é dali que você vai ouvir o som. E faça o corte em apenas um dos trilhos. Experimente o resultado. Passe por ali trens com um número variado de carros ou vagões e em diferentes velocidades. Depois acrescente um novo corte em outro ponto não muito perto do primeiro. Experimente novamente, fazendo o trem passar agora pelos dois cortes. E vá acrescentando novos cortes até ficar do jeito como você gostar.

Lembre-se que no passado as junções dos trilhos ficavam a cada 12 metros, que era o comprimento usual. Isso criava um maior número de ''plac-placs'' quando o trem passava. Hoje os segmentos de trilhos são soldados, o que os deixa bem mais compridos. Ou seja, há um menor número de estalos nas ferrovias modernas. Se sua maquete reproduz uma ferrovia antiga, com locomotivas a vapor ou as primeiras diesel-elétricas, faça mais cortes e tenha mais estalos. Se a ferrovia for moderna, com enormes diesel-elétricas, faça o contrário.

(Dica de Marcio Redondo)

Colírio ferroviário
Imagem:
Numa estrada rural, Fusca aguarda passagem de trem da VLI (Vale Logística Integrada) para poder atravessar a linha.

(Modelo customizado pelo Gilser, Belo Horizonte, MG.)
Caboose

Agradecemos ao Marcelo Lordeiro e ao Marco Giffoni pelas sugestões para o Expresso Portal do Trem, ao Gilser pela foto do Colírio Ferroviário e ao David Santos, ao Flávio Alves e ao Pedro Nuno Almeida pelas fotos do bâner do mês.

Atualizamos as páginas "Lojas virtuais no exterior", "Lojas físicas no Brasil" e "Lojas virtuais no Brasil".

Marcio Redondo (editor@portaldotrem.com.br)

Portal do Trem: Um site de ferromodelistas para ferromodelistas